Você sabia? Brindes personalizados e sua história

Você sabia? Brindes personalizados e sua história

Os primeiros registros de brindes corporativos datam do século XIX, quando algumas organizações distribuíam calendários personalizados. Entretanto, esses objetos só foram reconhecidos como brindes em 1798, com a distribuição de bottons na eleição de George Washington, nos Estados Unidos.

Vendo que, a partir deste ano, a distribuição de presentes corporativos começava a ser recorrente, Jasper Meeks, considerado o precursor da indústria de brindes, sugeriu que uma loja de livros distribuísse sacolas personalizadas para que seus clientes pudessem levar os produtos adquiridos com maior facilidade, além de manter contato com a marca sempre que precisar carregar algo.

Não demorou muito para que Meeks deixasse de ser o único no ramo. Henry Beach, percebendo uma oportunidade de negócio, começou a vender a impressão da marca em mármore, cartões, calendários, bonés, entre outros.

Em 1904, como o mercado de brindes já estava superaquecido, 12 fabricantes de produtos personalizados se reuniram e formaram a Associação de Produtos Promocionais (PPAI, na sigla em inglês), que atualmente tem cerca de 11.000 membros no mundo.

A verdadeira explosão, do crescimento da indústria de produtos promocionais, no entanto, ocorreu na década de 1970, quando cada vez mais empresas corporativas reconheceram os benefícios obtidos com a promoção da sua identidade corporativa, marca ou produto. Nos primeiros anos, a gama de produtos disponíveis era limitada, mas a partir da década de 1980, a demanda cresceu e os distribuidores de brindes se viram obrigados a produzir catálogos de brindes.

De lá para cá, pouca coisa mudou. Basicamente a linguagem impressa foi adaptada para a internet, ou seja, invés de mandarem o catálogo por correio, os fabricantes de brindes disponibilizam as informações em seus sites.